Como os líderes podem construir um futuro do trabalho que funcione para todos

por Matt Bochenski

Antecipando o nosso evento Transform América do Norte, conversamos com cinco líderes empresariais para saber como eles reagiram aos desafios do ano passado colocando as pessoas em primeiro lugar.

Não é exatamente uma novidade dizer que as empresas passaram por uma crise sem precedentes nos últimos 14 meses. Mas em todas as crises, e mesmo na atual, sempre há motivos para otimismo. O que nos deixa esperançosos é como os líderes empresariais reagiram aos desafios do ano passado colocando mais ênfase do que nunca em seus funcionários.

Por que isso é importante? Porque, mesmo nos tempos mais sombrios, temos a oportunidade de construir um futuro mais brilhante: um futuro do trabalho em que todos os funcionários tenham igual acesso à tecnologia e às oportunidades. Mas só chegaremos lá dando voz às pessoas e ouvindo as necessidades delas.

Liderando uma empresa conectada

É isso que queremos dizer quando falamos em criar um futuro que funcione para todos. Nós vamos discutir esse tema com mais detalhes durante o Transform América do Norte 2021, nosso principal evento virtual, em 23 de junho, quarta-feira, às 10h00 PST. Contaremos com a participação de líderes incríveis de algumas das nossas empresas favoritas, incluindo Chevron, Petco e Smartsheet.

Histórias de liderança empresarial contadas por líderes empresariais

Transform América do Norte: construindo um futuro do trabalho que funcione para todos

Embora existam diferentes definições para liderança, os convidados do Transform compartilham algo em comum. Eles incorporam os traços de liderança das empresas conectadas. Eles são honestos e autênticos. Inspiram confiança e lideram com um propósito.

Rhonda J. Morris, vice-presidente e CHRO da Chevron, é um exemplo. Rhonda falará sobre o que significa ser líder com Christine Trodella, chefe do Workplace para a região das Américas. Para Rhonda, ser autêntico significa aceitar o fato de que ela não é um exemplo típico de personalidade do tipo A. Na verdade, ela é introvertida, mas o Workplace a ajudou a se conectar com outros introvertidos ao mesmo tempo que potencializou os seus pontos fortes.

“Faço parte de um grupo de ‘liderança silenciosa’, que é um grupo para que líderes introvertidos se conectem uns com os outros”, ela relata. “O grupo é uma fonte de informação extremamente valiosa onde os participantes compartilham os desafios que os introvertidos enfrentam, como ficar quieto em uma reunião.”

De acordo com Rhonda, embora ela não seja a primeira a se manifestar, escrever as suas ideias no Workplace tem sido uma maneira poderosa de compartilhar o que pensa e de demonstrar que se preocupa com a sua comunidade de trabalho mais ampla.

“Recentemente, escrevi uma nota sobre tristeza”, lembra ela. “Eu queria que as pessoas soubessem que está tudo bem não estar bem. Um funcionário me enviou uma mensagem perguntando se eu estava bem. Era um funcionário de uma refinaria, alguém que provavelmente eu nunca teria conhecido se não fosse pelo Workplace.”

Liderando com empatia

Para Megan Hansen, diretora de Pessoas e Cultura da Smartsheet, exemplos como esse transmitem uma mensagem poderosa sobre a experiência pela qual acabamos de passar. “Os últimos 12 meses foram um evento equalizador”, diz ela. “Todos nós tivemos que desenvolver rapidamente a nossa empatia. Todos passamos pelo mesmo. Espero que não nos esqueçamos disso posteriormente.”

Megan, que se juntará a nós no Transform para falar sobre a construção de uma comunidade em um mundo digital, está focada em garantir que a Smartsheet não se esqueça das experiências positivas que teve durante o lockdown conforme deixa as negativas para trás. Segundo ela, graças ao Workplace, “vejo todas essas pessoas com quem normalmente não teria contato. Posso criar novas conexões e conhecer novas partes da empresa.”

Liderando uma comunidade

Glenn Sanford, fundador e CEO da eXp World Realty, concorda com isso. Na verdade, a capacidade de enxergar todas as partes da empresa é fundamental para o seu estilo de liderança. “Meu trabalho como CEO é ficar de olho no futuro”, afirma ele. Como ele enxerga isso? “Colaboração e comunidade. Precisamos descobrir como gerar diálogos fortuitos em um mundo principalmente remoto.”

Os agentes imobiliários da eXp estão trabalhando de forma 100% remota desde a fundação da empresa em 2008. Glenn compartilhará mais insights sobre isso em um painel que discutirá se conectar pessoas desconectadas é uma vantagem competitiva. Agora, Glenn sabe como o Workplace oferece vantagens a ele como CEO: “Estou constantemente consumindo conteúdo no Workplace. Chamo ele de meu ‘scanner organizacional’. O Workplace permite estar em todos os lugares e misturar a comunicação formal com a informal.”

No dia 23 de junho, Gleen terá a companhia de Aimee Daily, vice-presidente sênior e diretora de Transformação da Memorial Health Systems, além de Jenny Wolski, vice-presidente sênior de Experiência do cliente omnicanal da Petco.

Liderando com confiança

De acordo com Jenny, a verdadeira liderança tem tudo a ver com confiança, e o Workplace é fundamental para possibilitá-la. “Percebemos que funcionários felizes geram clientes felizes. Nosso pessoal pode ir mais longe quando está capacitado”, afirma ela. “Para isso, é necessário gerar confiança. E, por termos o Workplace, nós temos essa confiança. Conectamos os corações e mentes de 26 mil pessoas em 1.500 locais. São pessoas ativas, engajadas, apaixonadas, comprometidas e reais.”

Aimee Daily, da Memorial Health Systems, vai além: “não sei como as organizações podem se dar ao luxo de não ter uma solução como essa em 2021”, comenta. Dito isso, fazer com que o restante da diretoria da Memorial concordasse exigiu um tipo diferente de liderança.

“Convencer as partes interessadas sobre o Workplace foi a coisa mais difícil que já fiz”, ela revela. Mas, no final, a pergunta que ela fez foi simples: "se não for o Workplace, o que será?"

Liderando com urgência

Não se engane: os líderes atuais precisam de respostas. E os funcionários esperam isso. Muitos exigem isso. Como Jenny Wolski explica: “nós precisamos agir com urgência. Temos a oportunidade de fazer parte da mudança nos Estados Unidos. Temos que nos pronunciar. Não apenas da boca para fora, mas na prática.”

Megan Hansen, da Smartsheet, entende as dificuldades envolvidas na tomada desse tipo de decisão, mas também tem um conselho final: “para muitos líderes, o desafio quando se trata de agir é o mind share. Há um limite de coisas que a empresa pode abordar em determinado momento. Ou o número de coisas novas que podem ser absorvidas pelo sistema. Meu conselho é começar aos poucos. Dê um passo pequeno e, em seguida, conquiste mind share e força.”

Participe do Transform América do Norte 2021

Quer ouvir mais ideias desses líderes, bem como de nossa palestrante principal Shellye Archambeau, ex-CEO da MetricStream? Inscreva-se agora mesmo e garanta a sua vaga no Transform América do Norte, na quarta-feira, 23 de junho, às 10h00 PST.

Palestrantes convidados do Transform 2021

Continue lendo

Nunca perca uma atualização. Assine o blog do Workplace.


Fique conectado

Mantenha-se atualizado com o Workplace assinando nosso boletim informativo para receber conteúdo incrível.


Siga-nos


Tudo muda quando estamos unidos

Continue lendo